Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Champagne Choque

Champagne Choque

5 Filmes com cheirinho a Verão

O Outono aproxima-se, ainda que a temperatura dos dias camufle a sua chegada. Já nos despedimos da praia, já suspiramos pelas próximas férias e já sentimos arrepios só de pensar no frio que vai chegar nos próximos meses... Mas não é preciso sofrer por antecedência. Podemos perfeitamente assumir a ideia de que isto "é tudo psicológico" e fingir que ainda estamos de férias, sem stress e a bronzear o corpinho. Nem que seja durante duas horas. É só encostarem-se no sofá - ou na cama, vocês é que sabem - e ver um destes filmes que nos transportam para sítios quentes, paisagens paradisíacas, com muito mar e sol à mistura e que nos fazem viajar sem sair do lugar. Um escapezinho à rotina e depressão pós-férias. São cinco comédias românticas à escolha. 

 

filmesverao.jpg

 

Comer, Orar, Amar - Eat, Pray, Love (2010)

Elizabeth Gilbert passou por um divórcio complicado, estava deprimida e a achar que nada na vida fazia sentido. Então, decidiu viajar durante um ano, dividindo o tempo entre Itália, Índia e Indonésia. Acompanhamos a jornada desta mulher na procura do prazer, da liberdade, devoção, amor e, principalmente, equilíbrio. Em cada experiência acabou por descobrir muito sobre cada país e sobre si própria. O interessante é que isto não é ficção. Ainda que esteja romantizado, ela fez mesmo esta viagem e relatou-a no livro que lançou em 2006. O filme não chega aos pés do livro, achei-o superficial como se estivessemos a saltar capítulos importantes da história, enquanto o livro é mais profundo, explora  os conflitos interiores, as reflexões e o crescimento pessoal que Elizabeth passou durante aquele ano. Mas o filme leva-nos para as paisagens magníficas de Bali, transmite-nos a paz dos retiros espirituais da Índia e ainda dá para matar saudades de Roma. Além de que temos a Julia Roberts e o Javier Bardem. 

gvRw7B1wK0hv0myJMw7cAEc7Smw.jpg

 IMDb: 5.7/10

Realizador: Ryan Purphy

Trailer

 

Vicky Cristina Barcelona (2008)

Vicky e Cristina, melhores amigas, decidem viajar juntas para Barcelona nas férias de verão. Não estavam à espera era de se encantarem pelo mesmo homem, Juan Antonio, um pintor espanhol que parece um sonho até chegar a ex-mulher desiquilibrada, interpretada por Penélope Cruz, que é a minha personagem preferida das três.

Gosto muito deste filme e é um dos meus preferidos do Woody Allen. Tem aquele humor peculiar a que nos habituou, um argumento delicioso, personagens loucas como eu gosto e "passeamos" pelas ruas de Barcelona. Como se isto já não fosse suficiente, ainda levamos com o sotaque do Barden (sim, outra vez, depois não digam que não sou amiga) e com a Scarlet e a Penelópe, dependendo dos gostos. É o filme que gosto mais desta lista e se ainda não conhecem, vejam. Vale mesmo a pena. 

19359400_20131105205132693.jpg IMDb: 7.2/10

Realizador: Woody Allen

Trailer

 

Mamma Mia! (2008)

A fórmula deste filme é basicamente isto: uma miúda está noiva e quer descobrir quem é o pai (dentro de uma possibilidade de três ex-namorados da mãe), dias antes do casamento numa ilha grega, enquanto a família e amigos cantam e dançam músicas dos ABBA. Se não gostam da banda-furor dos anos 70 (como eu) então este filme é capaz de ser um bocadinho doloroso, mas temos a Meryl Streep a fazer parte do espetáculo e isso compensa o resto.

É um filme divertido e com cheiro a verão, que é o que queremos neste momento, com as magníficas ilhas gregas como cenário. É cliché? É. É musical? Sim. Vão ficar com as músicas na cabeça depois de ver o filme? Com certeza. Mas temos o Pierce Brosnan e Colin Firth ali metidos. E, se o virem pela primeira vez, tentem não ir a correr aos sites de viagem ver os preços para a Grécia.

18786357_20131107163938003.jpg

 IMDb: 6.3/10

Realizador: Phyllida Lloyd 

Trailer

 

6 Dias 7 Noites - Six Days Seven Nights (1998)

Quinn Harris, um piloto mal-humorado, tem a missão de levar Robin Monroe - editora de uma revista americana que está de férias com o noivo numa ilha turistica da Polinésia - até ao aeroporto que fica numa ilha diferente daquela em que estão. A meio do caminho, levanta-se uma tempestade e são obrigados a aterrar de emergência numa ilha deserta e perdida no meio do mar. Durante uma semana os dois têm que se tentar dar bem e cooperar para sobreviver até alguém os vir salvar. Toda uma aventura que já se sabe onde vai dar, mas se estiverem sem nada para fazer num domingo à tarde, vão passear até lá através da vossa televisão (ou computador). Sempre mudam de ares e vêem o Harrison Ford nos seus tempos áureos. 

maxresdefault-1024x658.jpg

 IMDb: 5.7/10

Realizador: Ivan Reitman

Trailer

 

A Lagoa Azul - The Blue Lagoon (1980)

A Em e o Richard não tiveram tanta sorte como o casal anterior e, depois de terem que fugir do navio onde seguiam por causa de um incêncio a bordo, têm que tentar sobreviver sozinhos numa ilha deserta enquanto ainda são crianças, a educarem-se a eles próprios e a desenrascarem-se sozinhos com o que a natureza lhes dá, sem conhecerem nada do mundo "civilizado", de onde sairam ainda eram pequenos. Fantasiam sobre como será a vida fora dali e a parte gira é ver como começam a desenvolver o lado mais adulto, sem saberem como reagir às mudanças do próprio corpo, dos humores um do outro, do crescimento. É daqueles filmes que já vi trinta vezes mas vejo sempre mais uma e com vontade. E confesso que, quando era pequena, tinha muita vontade de ir viver para uma ilha assim. Ainda hoje tenho, vá. É filme de verão. 

lagoa-azul_0.jpg

 IMDb: 5.7/10

Realizador: Randal Kleiser

Trailer

 

Outros filmes para outros momentos:

6 Filmes para ver ao domingo à tarde

5 Filmes para ver num sábado à noite (e não adormecer)

5 Filmes para ver a meio da semana

5 Filmes que comemoram 20 anos em 2015

5 Filmes para ver no Dia da Criança

5 Filmes para ver no Outono

5 Filmes românticos para ver no Dia dos Namorados

6 Filmes para os solteiros no Dia dos Namorados 

 

Bom cinema!

ÓSCARES 2016 | Os melhores actores e actrizes

Se mandasse eu na Academia e pudesse escolher os vencedores da noite, quem saía com

a estatueta na mão eram estes:

 

 

MELHOR ACTOR: Leonardo DiCaprio (The Revenant)

Está brutal. As expressões, os olhares...valem mais que mil palavras. O Leo deu tudo neste filme e espero que seja este ano que leve a estatueta para casa. Se concordam então dêem força à Oração a Leonardo DiCaprio

leonardo-dicaprio-revenant-trailer-buried-alive-09

 

MELHOR ACTRIZ: Brie Larson (Room)

Incrível a interpretação de Brie Larson neste filme, que é um dos meus preferidos do ano. Intensa, é a palavra certa para descrevê-la. Merece, sem dúvida, o Óscar de Melhor Actriz. E se ganhar, é caso para dizer que à primeira é de vez. 

room-2.jpg

 

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO: Tom Hardy (The Revenant)

Dizem que é o Sylvester Stallone que vai ganhar, pelo filme Creed. Eu dava ao Tom Hardy pelo The Revenant, sem pestanejar.

revenant-trailer-tom-hardy-05.jpg

 

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA: Alicia Vikander (A Rapariga Dinamarquesa)

Apesar de Eddie Redmayne (Elinar Wegener) ser a figura principal do filme, na realidade a verdadeira rapariga dinamarquesa é a sua mulher, Gerda Wegener. Brilha (quase) tanto como ele. Esta seria a minha escolha, apesar de saber que a preferida na corrida ao Óscar é a Kate Winslet, pelo filme Steve Jobs, que já ganhou o Globo de Ouro, apesar de eu achar o papel dela completamente banal.

alicia.vikander.png

 

E vocês, têm preferidos? Contem-me tudo.

 

ÓSCARES 2016 | Qual é o Melhor Filme?

A missão de ver todos os filmes que fazem parte da categoria "Melhor Filme" antes da cerimónia dos Óscares foi bem sucedida. No total são oito nomeados, filmes muito diferentes entre si, uns muito bons, outros que não gostei tanto. Os meus três preferidos são Room, Spotlight e The Revenant. Foram, sem dúvida, os que mais mexeram comigo. The Martian também me surpreendeu muito pela positiva e Mad Max, contrariamente ao que pensava, acabei por gostar. 

 

oscares2016-vert2.jpg

 

The Revenant

Depois de ter falado deste filme aqui, não há muito mais a dizer, a não ser repetir que adorei. Não sei se leva o Óscar para casa, porque há muita gente a favor do Mad Max, mas é o meu preferido. A Fotografia é excelente e as interpretações dos actores valem muito a pena. Foi filmado, em vários momentos, com condições complicadas, exigiu tempo, dedicação e entrega. Iñarritu pode não receber o Óscar de Melhor Realizador, porque já o levou para casa o ano passado em Birdman, mas fez um trabalho brutal com este filme. Está nomeado também para Melhor Actor e Melhor Actor Secundário, Melhor Fotografia, Melhor Caracterização, Melhor Guarda-Roupa, Melhor Direcção Artística, Melhor Montagem, Melhores Efeitos Visuais, Melhores Efeitos Sonoros e Melhor Mistura de Som.

 

Spotlight

Sabem aqueles filmes em que nem damos pelo tempo passar? O Spotlight é assim. Sabia quer era sobre Jornalismo e isso fez-me ficar muito curiosa (fala a jornalista). Baseado numa história real, o drama mostra um grupo de jornalistas do 'The Boston Globe', que fazem parte de uma equipa de jornalismo de investigação chamada Spotlight, que vai atrás de um caso sobre abuso de crianças por padres católicos. Reunem testemunhos, documentos e tentam tudo para dar a conhecer ao mundo esta história. 

 

Room 

Um dos melhores filmes do ano! Fui vê-lo ao cinema e foram quase duas horas de tensão. Chorei, sofri com a história, fiquei nervosa. Foi o filme que mais mexeu comigo desta lista. Saí do cinema e não conseguia deixar de pensar nele. E o miúdo...que actor do caraças. Merecia uma nomeação para os Óscares também. Se ainda não viram, não percam este filme. É sobre uma mãe que vive em cativeiro com o filho de cinco anos, fruto dos abusos de um homem que a raptou quando tinha 17 anos. Cria um mundo dentro de um quarto minúsculo, para que o filho consiga ser um menino minimamente feliz. Depois de várias tentativas conseguem escapar (isto não é spoiler, está no trailer) e mostra-nos como se tentam adaptar novamente a uma realidade que a criança nunca conheceu e que a mãe já tinha esquecido.

 

The Martian (Perdido em Marte)

Foi o primeiro filme dos nomeados que vi, ainda não tinham sido conhecidas sequer as nomeações deste ano. Ao início pensei "pronto, mais um filme cliché no espaço...", mas depois acabou por me surpreender. O Matt Damon está muito bem e a história está bem contada. Um dos austronautas é tido como morto e abandonado em Marte. A partir daqui tem que se desenrascar sozinho para sobreviver, arranjar uma forma de criar alimentos porque a comida que tem é limitada e fazer tudo para conseguir comunicar com a Terra para que descubram uma forma de o salvar. Tem momentos cómicos, momentos de tensão e vê-se muito bem. 

 

Mad Max: Fury Road

Confesso que era daqueles filmes que não tinha a mínima curiosidade para ver. Mas, para meu próprio espanto, gostei. Claro que 70% se deve ao facto de ter o Tom Hardy lá metido, mas isso agora não interessa nada. É um filme de acção, passado no meio de um deserto, sempre em andamento num camião com miúdas a fugir e os vilões da história atrás delas. É a forma mais básica de explicar o filme. Tem quase as mesmas nomeações que o The Revenant e é o preferido de muitos na corrida ao Óscar de Melhor Filme. Se vai ganhar, não sei. Mas se gostam de filmes de acção, vale a pena ver. 

 

The Big Short (A queda de Wall Street)

Outro filme baseado em factos reais. Se não percebem nada de Economia, Finanças e não fazem ideia de como e porquê começou a crise financeira mundial, precipitada pela falência do banco de investimentos norte-americano Lehamn Brother, em 2008, então este filme é para vocês. É quase uma aula de economia explicada como se fossemos crianças de cinco anos, por Ryan Gosling, Brad Pitt e Christian Bale, querem melhor? O filme passa-se entre 2005 e 2008 e explica como começou a crise e porquê, tentando simplificar expressões e especificidades económicas ao comum dos mortais. A verdade é que temos que estar com atenção porque se perdemos algumas explicações ao início, ficamos perdidos o filme todo. Está também nomeado para Melhor Realização e Melhor Argumento Adaptado. Não sei se leva estatuetas para casa, mas vale a pena ver nem que seja pela curiosidade de perceber melhor estas questões económicas explicadas pelas estrelas de Hollywood. 

 

Brooklyn

Para mim é o mais fraco dos oito. Foi o último desta lista que vi, sem grandes expectativas e não me surpreendeu. Aliás, não percebo sequer a nomeação. Substituía-o pelo Trumbo (que gostei dez vezes mais e só tem nomeação para Melhor Actor). O filme retrata a história de uma jovem irlandesa que, nos anos 50, sai do seu país à procura de uma vida melhor nos EUA. Instala-se em Brooklyn e vamos acompanhando a sua adaptação ao novo país, nova cidade e novos costumes. Apaixona-se por um italiano, mas um acontecimento triste na família obriga-a a voltar para a Irlanda e ficar dividade entre os dois países, entre dois amores, entre a razão e o coração. Enfim, um drama que não perdem nada por não ver. 

 

Bridge of Spies (Ponte dos espiões)

Um filme de espiões na Guerra Fria. Já vimos isto antes? Já. Mas Spielberg pegou no filme à sua maneira para nos contar a história de James Donovan, um advogado americano encurralado no centro da Guerra Fria, quando a CIA o envia numa missão quase impossível: negociar a libertação de um piloto americano, que se encontra detido na União Soviética. Tom Hanks a ser Tom Hanks, já se sabe que é bom e Mark Rylance, nomeado para Melhor Ator Secundário - com probabilidades de ganhar - tem uma interpretação excelente. Está nomeado também para Melhor Argumento Original, Melhor Direcção Artística e Melhor Banda Sonora. 

 

 

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO

INSIDE-OUT-18.jpg

Se fosse eu a escolher, era o Inside Out que ganhava o Óscar de Melhor Filme de Animação. Não vi os outros quatro, é verdade, mas este filme está tão giro, tem uma ideia tão original e pormenores tão bem pensados que, para mim, é o vencedor da noite. Se ainda não viram, não sabem o que estão a perder. 

 

Qual é o vosso preferido?

Oração a Leonardo DiCaprio

Estamos em semana de Óscares, caros amigos e amigas. Todas as orações são poucas. Vamos dar as mãos e desejar ao Nosso Senhor de Hollywood que ilumine o caminho do Leo até ao palco quando se abrir o envelope do prémio de Melhor Actor. 

 

Leo Nosso,
Que estás em Hollywood,
Santificada seja a vossa imagem,
Venha a nós, suas fãs,
A baba nossa de cada dia nos dai hoje,
Perdoai os nossos stalkeamentos
Assim como nós perdoamos a quem não gosta de ti,
Não estás a ajudar-nos a não cair em tentação,
Mas isso não tem mal,
Amén.
 

leonardo-dicaprio.png

 

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Mais sobre mim

foto do autor

Blogs Portugal