Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Champagne Choque

Champagne Choque

O que é que a nossa roupa diz de nós?

Vivemos numa sociedade em que é mais fácil criticar do que elogiar. Infelizmente há mais velhos do Restelo do que que pessoas a verem o copo meio cheio. E isso nota-se em pequenas atitudes todos os dias. Julgar o próximo faz parte da rotina diária de muita gente, tal como beber café de manhã e ver o telejornal à hora de jantar. 

 

E o papel da Mulher, em particular, é especialmente difícil. Estamos ainda muito longe de haver igualdade de géneros, não só em termos de salários para homens e mulheres na mesma posição, mas nas atitudes tidas como aceitáveis em sociedade. Estamos muito longe de uma mulher poder sair com vários homens e não ser chamada de...vocês sabem. Quando ao contrário, um homem que saia com muitas mulheres, é o maior. Estamos muito longe de não julgar uma mulher mais gorda na praia, quando um homem gordo passa completamente despercebido. Estamos longe de cada mulher poder assumir o estilo que quiser sem ser olhada de lado na rua. Vivemos numa sociedade em que é notícia um autocarro da Carris ser conduzido por uma mulher, como se fosse algo sobrenatural. E onde uma mulher que confesse não saber cozinhar recebe olhares de estranheza, como se fosse uma habilidade que tivesse que nascer com ela.

 

Somos julgadas pelos homens e muitas vezes também por nós, mulheres. Mulheres a julgar mulheres. Quando já basta sermos escrutinadas ao olhar masculino. Exigem que sejamos as melhores donas de casa, mesmo quando se trabalha mais de 40 horas por semana. Exigem que estejamos sempre bonitas, mesmo quando não temos tempo para nós. Mulheres que se deviam apoiar, defender-se, muitas vezes são as que atacam outras mulheres. A questão da roupa é um dos maiores exemplos. Julgamos alguém pela roupa que veste. Seja numa entrevista de emprego, num primeiro encontro ou numa saída à noite. Nós mulheres sabemos bem que olhamos para a roupa de outra e pomos mil defeitos. Mas, felizmente, cada uma é livre de ter o estilo que quiser, seja mais sóbrio ou a dar nas vistas. É a tal coisa do "gostos não se discutem".  Uma mulher não tem que gostar de andar de saltos altos, não tem que gostar de vestidos, nem de pôr rímel e batom. Não é menos mulher por isso. E se gostar de usar saltos de 15cm, saias justas e decotes generosos é sinónimo de promiscuidade? É-se presa por ter cão e por não ter. Ou somos puritanas ou somos badalhocas. Será o comprimento da roupa parâmetro suficiente para definir o carácter de uma mulher? 

 

É por isso que esta campanha da Miami Ad School de Hamburgo me chamou a atenção: "Não meça o valor de uma mulher pelas suas roupas". Com criatividade, simplicidade e perspicácia convidam à reflexão sobre este tema. As imagens falam por si.

 

roupa-01.jpg

roupa-03.jpgroupa-02.jpg

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.